SEMANÁRIO ZONA NORTE - JORNAL DE MAIOR CIRCULAÇÃO NA ZONA NORTE

Pode existir motivação maior do que aprender?

O aprendizado transforma. O aprendizado é o caminho natural que o homem trilha para atingir os seus objetivos

O aprendizado transforma. O aprendizado é o caminho natural que o homem trilha para atingir os seus objetivos imediatos ou objetivos de vida. Só se consegue a evolução social, a melhoria da percepção política e melhores condições para o enfrentamento do mercado de trabalho ao se frequentar uma Escola. Para se alcançar o sucesso, deve-se saber, não existem atalhos. Os atalhos, via de regra, levam à quebra das regras éticas e morais da convivência em sociedade.

Seja em pesquisas ou trabalhos acadêmicos realizados, sempre que se trata do assunto evasão escolar, dentre as várias causas que levam à ocorrência desse nefasto problema chama a atenção um, que por muitos, é tratado como o principal deles: “a ausência de interesse pela Escola”. Normalmente ao focarem neste assunto as soluções buscadas para a resolução do problema recaem sobre a necessidade de transformação da Escola, dai citadas as suas propostas pedagógicas, as metodologias adotadas pelos docentes e a falta de investimento em tecnologia.

Não sou especialista em Educação, mas fui grande parte da minha vida aluno e também trabalhei grande parte do meu tempo ensinando jovens e adultos em cursos dos mais variados níveis. Conhecendo bastante os jovens de hoje, posso afirmar, que na grande maioria dos casos, essa ausência de interesse está mais no aluno do que na Escola que ele frequenta.

Seja por problemas na educação no lar, seja pelas más influências de uma decadente cultura televisiva, seja pelas facilidades disponibilizadas pelos avanços tecnológicos e a imersão desde cedo num mundo virtual, muitos jovens se distanciam das questões reais do dia a dia e, em muitos, observamos a falta de um objetivo de vida que deva ser trabalhado a longo prazo. Para eles o que interessa é o hoje, o agora, com tudo acontecendo na velocidade de um download.

Pela importância que a Escola tem em nossas vidas, comparo esse desinteresse do jovem ao daquele homem que recusa um copo d’água por que a água não tem nenhum sabor. Assim como a água, a Escola mesmo que, para alguns, “insípida”, sabe-se, é algo essencial para o nosso crescimento e sobrevivência.

Desde muito cedo, descobri que só poderia fazer com que aqueles jovens aceitassem o que lhes ensinava se houvesse dentro de cada um deles a vontade e a motivação de absorver o conhecimento que lhes passava. Os métodos e tecnologias podem ajudar e contribuem muito para a manutenção do interesse, mas nada se compara à vontade interior de crescer que todos devem ter. Esse é o grande papel do educador, despertar em cada um a sede pelo saber. Se a família não pode plantar no jovem essa semente, cabe ao educador esse importante papel.

Gen. Eduardo Diniz

 

* Analista do Núcleo de Estudos Estratégicos em Defesa e Segurança da Universidade Federal de São Carlos - NEEDS

  • Compartilhe
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no LinkeDin
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no WhatsApp

Pode existir motivação maior do que aprender?

O aprendizado transforma. O aprendizado é o caminho natural que o homem trilha para atingir os seus objetivos imediatos ou objetivos de vida. Só se consegue a evolução social, a melhoria da percepção política e melhores condições para o enfrentamento do mercado de trabalho ao se frequentar uma Escola. Para se alcançar o sucesso, deve-se saber, não existem atalhos. Os atalhos, via de regra, levam à quebra das regras éticas e morais da convivência em sociedade.

Seja em pesquisas ou trabalhos acadêmicos realizados, sempre que se trata do assunto evasão escolar, dentre as várias causas que levam à ocorrência desse nefasto problema chama a atenção um, que por muitos, é tratado como o principal deles: “a ausência de interesse pela Escola”. Normalmente ao focarem neste assunto as soluções buscadas para a resolução do problema recaem sobre a necessidade de transformação da Escola, dai citadas as suas propostas pedagógicas, as metodologias adotadas pelos docentes e a falta de investimento em tecnologia.

Não sou especialista em Educação, mas fui grande parte da minha vida aluno e também trabalhei grande parte do meu tempo ensinando jovens e adultos em cursos dos mais variados níveis. Conhecendo bastante os jovens de hoje, posso afirmar, que na grande maioria dos casos, essa ausência de interesse está mais no aluno do que na Escola que ele frequenta.

Seja por problemas na educação no lar, seja pelas más influências de uma decadente cultura televisiva, seja pelas facilidades disponibilizadas pelos avanços tecnológicos e a imersão desde cedo num mundo virtual, muitos jovens se distanciam das questões reais do dia a dia e, em muitos, observamos a falta de um objetivo de vida que deva ser trabalhado a longo prazo. Para eles o que interessa é o hoje, o agora, com tudo acontecendo na velocidade de um download.

Pela importância que a Escola tem em nossas vidas, comparo esse desinteresse do jovem ao daquele homem que recusa um copo d’água por que a água não tem nenhum sabor. Assim como a água, a Escola mesmo que, para alguns, “insípida”, sabe-se, é algo essencial para o nosso crescimento e sobrevivência.

Desde muito cedo, descobri que só poderia fazer com que aqueles jovens aceitassem o que lhes ensinava se houvesse dentro de cada um deles a vontade e a motivação de absorver o conhecimento que lhes passava. Os métodos e tecnologias podem ajudar e contribuem muito para a manutenção do interesse, mas nada se compara à vontade interior de crescer que todos devem ter. Esse é o grande papel do educador, despertar em cada um a sede pelo saber. Se a família não pode plantar no jovem essa semente, cabe ao educador esse importante papel.

Gen. Eduardo Diniz

 

* Analista do Núcleo de Estudos Estratégicos em Defesa e Segurança da Universidade Federal de São Carlos - NEEDS

Inscreva-se Newsletter

Inscreva-se em nossa newsletter e receba em primeira mão nossas novidades!
[CARREGANDO...]

Publicidade