SEMANÁRIO ZONA NORTE - JORNAL DE MAIOR CIRCULAÇÃO NA ZONA NORTE

Dia de Monteiro Lobato - 18 de abril

José Bento Renato Monteiro Lobato (Taubaté, 18 de abril de 1882

José Bento Renato Monteiro Lobato (Taubaté, 18 de abril de 1882 – São Paulo, 4 de julho de 1948) foi um dos mais influentes escritores brasileiros do século 20. Foi um importante editor de livros inéditos e autor de importantes traduções. Seguido a seu precursor Figueiredo Pimentel (“Contos da Carochinha”) da literatura infantil brasileira, ficou popularmente conhecido pelo conjunto educativo de sua obra de livros infantis, que constitui aproximadamente a metade da sua produção literária. A outra metade, consistindo de contos (geralmente sobre temas brasileiros), artigos, críticas, crônicas, prefácios, cartas, um livro sobre a importância do petróleo e do ferro, e um único romance, O Presidente Negro, o qual não alcançou a mesma popularidade que suas obras para crianças, que entre as mais famosas destaca-se Reinações de Narizinho (1931), Caçadas de Pedrinho (1933) e O Picapau Amarelo (1939).

Trajetória

José Bento Monteiro Lobato, nascido em 1882, seis anos antes da abolição dos escravos passou a infância em Taubaté (SP) entre a fazenda Santa Maria, no bairro de Riberão das Almas, a casa do Largo do Teatro e a chácara do Visconde ( propriedade de seu avô, José Francisco Monteiro, barão, que depois tornou-se Visconde de Tremembé).Suas lembranças mais antigas estão ligadas à vida no campo, onde ele ficava olhando os terreiros de café, cercados por muros de taipa, e a grande porteira onde começava a estrada de Sete Voltas, que levava à cidade. Havia também um ribeirão e, depois dele , o morro coberto de escura e misteriosa mata virgem que, na sua imaginação, assumia as formas fantásticas de onças e índios. Juca- seu apelido familiar- era um garoto quieto, pouco dado a travessuras.

Com Esther e Judith, suas irmãs mais novas e companheiras de brincadeiras, gostava de transformar sabugos de milho em bonecos, chuchus ganhavam pernas de palito assim como todas as crianças da época. No antigo Largo do Teatro - atual praça Doutor Monteiro - ficava o casarão que o Visconde de Tremembé usava quando deixava a fazenda. O sobrado imponente possuia um local de onde o menino Juca quase não saia, era a biblioteca do avô, uma sala encantada. Ali ele se deslumbrava com livros de aventuras, revistas ilustradas, e coleções sobre viagens a países distantes. Foi também em Taubaté, sua cidade natal, que Lobato fez estudos primários e secundários, após ter sido alfabetizado por sua mãe, dona Olímpia.Lobato começou a sentir-se “gente grande “ aos 13 anos quando ficou resolvido que iria estudar em São paulo. Deixou em Taubaté a mãe gravemente doente, e a correspondência entre os dois neste primeiro momento foi terna e comovente.

Voltando à chácara depois de uma arrasadora reprovação numa prova de protuguês passou o ano de 1896 inteirinho agarrado aos livros. Por esta época os alunos do colégio paulista de Taubaté, resolveram fundar um jornalzinho de estudantes entitulado “O Guarani” e foi nele que José Bento estreou aos 14 anos de idade,Quando perdeu o pai, aos 15 anos, queria ir para a escola de Bela Artes mas foi contrariado pelo avô que decidiu que ele seria bacharel em Direito. Acabou vencendo o avô, e foi estudar no Largo São Francisco, em São Paulo.

Ao completar 18 anos, celebrando uma maioridade que coincidia com a virada para o século 20, Lobato partiu para a vida adulta resolvido a jamais se intimidar frente aos poderosos e colocar sempre seu ponto de vista.Lobato conheceu Maria da Pureza de Castro Natividade em Taubaté por quem se apaixonou assim que a viu. Começou então a publicar poesias no jornal de Taubaté exaltando as belezas e as virtudes da amada. Casou-se em 1908, e tiveram 4 filhos: Martha, Edgard, Guilherme e Ruth. Promotor na cidade de Areias, fazendeiro quando herdou do avô as terras de Buquira, no município que hoje leva seu nove, Monteiro Lobato fez um pouco de tudo na vida. Seu texto “Uma velha Praga”, com o qual se tornou conhecido, saiu publicado no jornal O Estado de São Paulo, em 1914.Desgostoso com a vida no campo, vendeu a fazenda e transferiu-se para São Paulo, passando a escrever compulsivamente.Seu personagem, Jeca Tatu tomou vulto e o livro “Urupês” saiu em 1918, depois de “O Saci Pererê:resultado de um inquérito”, a obra literária do escritor.A partir daí, Lobato não parou mais, e acabou criando uma grande editora, que popularizou o livro e lançou as bases da indústria editoria nacional.

Preocupado em transformar o Brasil num país próspero, trouxe da sua experiência como adido comercial nos Estados Unidos, entre 1927 e 1930, idéias para explorar o ferro e o petróleo. Mas suas armas principais foram os livros. Sua obra completa, lançada em meados dos anos 40, tinha 30 volumes, sendo dezessete de literatura infantil, seu público preferido, ao qual dedicou imenso carinho.Desiludido com os adultos dedicou seus últimos anos às crianças, falecendo em São Paulo, na madrugada de 4 de julho, sem saber que sua morte não passaria de um parênteses preenchido pelos seus personagens, que permanecem vivos até hoje na imaginação de leitores de todas as idades.

Na TV

Os livros infantis de Monteiro Lobato foram transformados em cinco séries de televisão de bastante sucesso, a primeira na TV Tupi de São Paulo, e que foi exibida de 3 de junho de 1952 a 1962, ao vivo, pois não havia ainda o videotape e foi adaptada pela escritora Tatiana Belinky, sendo a mais fiel ao original de todas as adaptações para a televisão. Nada restando desse programa, exceto algumas fotos, pois seus episódios não eram gravados. Em 1957, a TV Tupi do Rio de Janeiro também transmitiu um Programa Sítio do Pica-Pau Amarelo, diferente do programa paulista, pois não havia, na época, transmissão em rede nacional, nem transmissão de imagens via tronco de micro-ondas da Embratel. Participaram do Sítio no Rio de Janeiro: Cláudio Cavalcanti e Daniel Filho. A segunda, na TV Cultura de São Paulo, em 1964. A terceira na Rede Bandeirantes, em 12 de dezembro de 1967. A quarta na Rede Globo, de 7 de março de 1977 a 31 de janeiro de 1986. A quinta, também na Rede Globo, de12 de outubro de 2001 até 2 de dezembro de 2007, a série chamada Sítio do Picapau Amarelo. Ambas as séries da Globo misturam histórias originais de Monteiro Lobato com textos inspirados em temas atuais.

  • Compartilhe
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no LinkeDin
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no WhatsApp

Dia de Monteiro Lobato - 18 de abril

José Bento Renato Monteiro Lobato (Taubaté, 18 de abril de 1882 – São Paulo, 4 de julho de 1948) foi um dos mais influentes escritores brasileiros do século 20. Foi um importante editor de livros inéditos e autor de importantes traduções. Seguido a seu precursor Figueiredo Pimentel (“Contos da Carochinha”) da literatura infantil brasileira, ficou popularmente conhecido pelo conjunto educativo de sua obra de livros infantis, que constitui aproximadamente a metade da sua produção literária. A outra metade, consistindo de contos (geralmente sobre temas brasileiros), artigos, críticas, crônicas, prefácios, cartas, um livro sobre a importância do petróleo e do ferro, e um único romance, O Presidente Negro, o qual não alcançou a mesma popularidade que suas obras para crianças, que entre as mais famosas destaca-se Reinações de Narizinho (1931), Caçadas de Pedrinho (1933) e O Picapau Amarelo (1939).

Trajetória

José Bento Monteiro Lobato, nascido em 1882, seis anos antes da abolição dos escravos passou a infância em Taubaté (SP) entre a fazenda Santa Maria, no bairro de Riberão das Almas, a casa do Largo do Teatro e a chácara do Visconde ( propriedade de seu avô, José Francisco Monteiro, barão, que depois tornou-se Visconde de Tremembé).Suas lembranças mais antigas estão ligadas à vida no campo, onde ele ficava olhando os terreiros de café, cercados por muros de taipa, e a grande porteira onde começava a estrada de Sete Voltas, que levava à cidade. Havia também um ribeirão e, depois dele , o morro coberto de escura e misteriosa mata virgem que, na sua imaginação, assumia as formas fantásticas de onças e índios. Juca- seu apelido familiar- era um garoto quieto, pouco dado a travessuras.

Com Esther e Judith, suas irmãs mais novas e companheiras de brincadeiras, gostava de transformar sabugos de milho em bonecos, chuchus ganhavam pernas de palito assim como todas as crianças da época. No antigo Largo do Teatro - atual praça Doutor Monteiro - ficava o casarão que o Visconde de Tremembé usava quando deixava a fazenda. O sobrado imponente possuia um local de onde o menino Juca quase não saia, era a biblioteca do avô, uma sala encantada. Ali ele se deslumbrava com livros de aventuras, revistas ilustradas, e coleções sobre viagens a países distantes. Foi também em Taubaté, sua cidade natal, que Lobato fez estudos primários e secundários, após ter sido alfabetizado por sua mãe, dona Olímpia.Lobato começou a sentir-se “gente grande “ aos 13 anos quando ficou resolvido que iria estudar em São paulo. Deixou em Taubaté a mãe gravemente doente, e a correspondência entre os dois neste primeiro momento foi terna e comovente.

Voltando à chácara depois de uma arrasadora reprovação numa prova de protuguês passou o ano de 1896 inteirinho agarrado aos livros. Por esta época os alunos do colégio paulista de Taubaté, resolveram fundar um jornalzinho de estudantes entitulado “O Guarani” e foi nele que José Bento estreou aos 14 anos de idade,Quando perdeu o pai, aos 15 anos, queria ir para a escola de Bela Artes mas foi contrariado pelo avô que decidiu que ele seria bacharel em Direito. Acabou vencendo o avô, e foi estudar no Largo São Francisco, em São Paulo.

Ao completar 18 anos, celebrando uma maioridade que coincidia com a virada para o século 20, Lobato partiu para a vida adulta resolvido a jamais se intimidar frente aos poderosos e colocar sempre seu ponto de vista.Lobato conheceu Maria da Pureza de Castro Natividade em Taubaté por quem se apaixonou assim que a viu. Começou então a publicar poesias no jornal de Taubaté exaltando as belezas e as virtudes da amada. Casou-se em 1908, e tiveram 4 filhos: Martha, Edgard, Guilherme e Ruth. Promotor na cidade de Areias, fazendeiro quando herdou do avô as terras de Buquira, no município que hoje leva seu nove, Monteiro Lobato fez um pouco de tudo na vida. Seu texto “Uma velha Praga”, com o qual se tornou conhecido, saiu publicado no jornal O Estado de São Paulo, em 1914.Desgostoso com a vida no campo, vendeu a fazenda e transferiu-se para São Paulo, passando a escrever compulsivamente.Seu personagem, Jeca Tatu tomou vulto e o livro “Urupês” saiu em 1918, depois de “O Saci Pererê:resultado de um inquérito”, a obra literária do escritor.A partir daí, Lobato não parou mais, e acabou criando uma grande editora, que popularizou o livro e lançou as bases da indústria editoria nacional.

Preocupado em transformar o Brasil num país próspero, trouxe da sua experiência como adido comercial nos Estados Unidos, entre 1927 e 1930, idéias para explorar o ferro e o petróleo. Mas suas armas principais foram os livros. Sua obra completa, lançada em meados dos anos 40, tinha 30 volumes, sendo dezessete de literatura infantil, seu público preferido, ao qual dedicou imenso carinho.Desiludido com os adultos dedicou seus últimos anos às crianças, falecendo em São Paulo, na madrugada de 4 de julho, sem saber que sua morte não passaria de um parênteses preenchido pelos seus personagens, que permanecem vivos até hoje na imaginação de leitores de todas as idades.

Na TV

Os livros infantis de Monteiro Lobato foram transformados em cinco séries de televisão de bastante sucesso, a primeira na TV Tupi de São Paulo, e que foi exibida de 3 de junho de 1952 a 1962, ao vivo, pois não havia ainda o videotape e foi adaptada pela escritora Tatiana Belinky, sendo a mais fiel ao original de todas as adaptações para a televisão. Nada restando desse programa, exceto algumas fotos, pois seus episódios não eram gravados. Em 1957, a TV Tupi do Rio de Janeiro também transmitiu um Programa Sítio do Pica-Pau Amarelo, diferente do programa paulista, pois não havia, na época, transmissão em rede nacional, nem transmissão de imagens via tronco de micro-ondas da Embratel. Participaram do Sítio no Rio de Janeiro: Cláudio Cavalcanti e Daniel Filho. A segunda, na TV Cultura de São Paulo, em 1964. A terceira na Rede Bandeirantes, em 12 de dezembro de 1967. A quarta na Rede Globo, de 7 de março de 1977 a 31 de janeiro de 1986. A quinta, também na Rede Globo, de12 de outubro de 2001 até 2 de dezembro de 2007, a série chamada Sítio do Picapau Amarelo. Ambas as séries da Globo misturam histórias originais de Monteiro Lobato com textos inspirados em temas atuais.

Inscreva-se Newsletter

Inscreva-se em nossa newsletter e receba em primeira mão nossas novidades!
[CARREGANDO...]

Publicidade