SEMANÁRIO ZONA NORTE - JORNAL DE MAIOR CIRCULAÇÃO NA ZONA NORTE

Notícias Colunistas

Relação civil militar, uma reflexão

Colunista Otávio Santana do Rêgo Barros

Relação civil militar, uma reflexão
IMPRIMIR
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Vivemos tempos de pouca harmonia com a falta de ordenamento da realidade. Uma discussão sobre o papel das Forças Armadas se instalou para além dos muros dos quarteis.
A atuação do chefe do poder executivo, a incentivar o envolvimento de militares nas ações políticas de governo, potencializou a questão. 
Somou-se a esse inconveniente, posturas controvertidas dos outros Poderes da República. A partir daí, formou-se um torvelinho de opiniões divergentes, sem conhecimento qualificado. 
Como pano de fundo, o artigo 142 da CF/88, definidor das missões das Forças Armadas, sofre ataques.
A base deste texto é a obra do professor Samuel Huntington, O SOLDADO E O ESTADO (BIBLIEX, 2016). Uma análise densa da relação civil militar, usada como linha mestra para contextualizar o Brasil contemporâneo.
De pronto, percebe-se a incompreensão indevida da sociedade à obrigação do profissional das armas em ser pragmático. O militar é o mais pacifista dos integrantes de um grupo social. Suas experiências o fizeram conhecer a desgraça dos conflitos e os efeitos deletérios para a humanidade.
Ele tem o dever de se posicionar sobre fatos que afetem a missão e o desempenho da organização. O verdadeiro comandante jamais permitirá que seu julgamento seja deformado por conveniência política.
A responsabilidade do militar perante o Estado é tríplice. Exerce uma função representativa, uma função consultiva e uma função executiva. O ordenamento dessas relações é capital para a política de defesa e segurança do país. Propicia um sistema de pesos e contrapesos, sem sacrifício de valores sociais. 
Equilibram a balança: o lícito interesse corporativo do militar e o necessário controle da sociedade em ambiente democrático. 
Nessa peleja está o nó de górdio da relação civil militar. O nível do alinhamento depende das exigências de segurança externa e interna, e da natureza e força dos valores da sociedade.
A disputa se amplia pelo afastamento receoso da sociedade do assunto Forças Armadas. Poderíamos justificar o desatino em face do baixo nível educacional, que se refletiria na incompreensão do tema. 
Quem é o ator principal da segurança nacional? O povo brasileiro! Mas esse transfere a responsabilidade de compor a cena aos próprios militares. Uma postura pretérita que se mantém, lastimosamente, em nossos dias.
O relacionamento civil militar precisa estar ligado por uma sólida ponte, que os torne interdependentes. Os batentes da obra são a posição institucional dos militares, sua influência na sociedade, bem como a natureza da ideologia dos grupos nominados. 
A predominância de qualquer desses fatores prejudica a estabilidade do país, dificultando a sadia sinergia civil militar. 
A discussão desses assuntos fortalecerá a segurança das instituições sociais, econômicas e políticas contra as ameaças externas e os contenciosos internos. Esses, sem solução a curto prazo. O ambiente é fricativo.
Uma reflexão: qual a natureza do corpo de militares que a sociedade aspira? Enxuto e profissional ou abrangente e social? Envolvido em política ou abrigado dessas tentações? 
Os cenários de conflitos já não se subordinam aos estados-nação. Agora, a guerra de quarta geração assume o palco, sem fronteiras, inimigos sem rosto e objetivos não palpáveis.
Por tudo isso, cabe, tão somente, à sociedade a intransferível responsabilidade de avaliar adequações ao papel das Forças Armadas. Protegê-las contra corsários em busca da sua credibilidade e fortalecê-las como instrumento apolítico, de Estado, da estabilidade interna e da dissuasão externa. Eis a missão!
Paz e bem!

Otávio Santana do Rêgo Barros
General de Divisão R1

Comentários:

Veja também

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!