SEMANÁRIO ZONA NORTE - JORNAL DE MAIOR CIRCULAÇÃO NA ZONA NORTE

Pirituba aniversaria em 1º de fevereiro

Bairro comemora 134 anos de progresso e perspectivas promissoras

O nome de Pirituba é o resultado da palavra “piri”, que significa vegetação de brejo e com o aumentativo “tuba”, que na língua tupi significa “muito”. Pirituba tem como referência histórica a inauguração da Estação de Trem em 1º de fevereiro de 1885.  A Fazenda Barreto, com a morte do seu proprietário em 1922, foi partilhada entre seus herdeiros. Nesse mesmo ano foi loteada a primeira partilha da Fazenda e em 1926 foi loteada a segunda partilha. Essas duas vilas, somadas ao núcleo inicial que se desenvolveu ao lado da estação, vieram a se constituir no núcleo principal de desenvolvimento do bairro. Posteriormente, outras partes da Fazenda Barreto foram loteadas dando lugar à formação de novas vilas, como a Vila Bonilha, Vila Zatt, Vila Maria Trindade, Vila Mirante e Jardim São José. Devido à grande influência política dos fazendeiros e a grande importância econômica do café, a SPR (São Paulo Railway) construiu uma estação para levar produtos agrícolas, principalmente café para o Porto de Santos. A essa estação foi dado o nome de Pirituba. Anos mais tarde com a decadência do café para a zona paulista deu-se a falência das fazendas.

Casarão do Anastácio e Parque Maria Domitila

A antiga casa colonial, sede da fazenda, não existe mais, mas em lugar encontra-se construção em ruínas que evidencia o abandono e desconhecimento da História de São Paulo. Está lindíssima construção foi um dia sede da Fazenda Anastácio, por volta do século 19. Seu primeiro proprietário foi o coronel Anastácio de Freitas Trancoso, membro do Governo Provisório de São Paulo, em 1823. Em 9 de maio de 1856, a fazenda Anastácio foi comprada pelo brigadeiro Tobias de Aguiar e sua esposa, a marquesa de Santos por quinze contos de réis. Com a morte do brigadeiro Tobias, em 1857, a marquesa de Santos tornou-se a única proprietária, e manteve as terras até morrer, em 1867. Marquesa de Santos morreu em 1867, aos 70 anos. Com a morte de Domitília, a posse ficou com seus herdeiros, que, em 1913, venderam parte da fazenda para a companhia elétrica Light and Power. A parte restante das terras ficou com os herdeiros até 1917, quando foi comprada pela Companhia Armour do Brasil. Depois da aquisição completa da propriedade, a antiga sede da fazenda – onde a marquesa de Santos passou parte de sua velhice – foi demolida, segundo versão aceita pelos historiadores. Da Fazenda Anastácio formaram-se os bairros de Parque São Domingos, City América, Vila Fiat Lux.

Tanque de lavagem de ouro

O primeiro esforço para dominar a região aconteceu já em 1580, quando o bandeirante Afonso Sardinha tentou se estabelecer no Jaraguá, para explorar ouro. Na ocasião, os indígenas que já ocupavam o local impediram o bandeirante de se fixar ali. A conquista do oeste paulistano, a exemplo dos filmes de bangue-bangue, se deu às custas de sangue índio. A guerra que Sardinha declarou aos nativos em 1592, quando era comandante da vila de São Paulo, durou cinco anos, e em 1597 ele começou a explorar as minas do Jaraguá.  Um dos tanques de ouro foi aterrado recentemente, por orientação de arqueólogos, na aldeia Tekoa Ytu. A aldeia guarani é uma das duas localizadas ao pé do Pico do Jaraguá. Quem descobriu a existência de ouro no local foi Luis Martins em 1532.

Vila Pereira Barreto

A Vila Pereira Barreto surgiu em novembro de 1922, quando o dr. José Pereira Barreto e sua esposa dona Georgina, lotearam uma de suas propriedades. Foi com a chegada das primeiras famílias, formadas por sitiantes, colonos e moradores à margem da Estrada de Ferro Santos-Jundiaí, que, movidos pela fé cristã, construíram um pequeno Oratório, dedicando-o a São Luis Gonzaga, em homenagem à memória do dr. Luis Pereira Barreto, médico e político de grande reputação da época. Localizada na Av. Cristo Rei - próximo à Av. Paula Ferreira. Em 8 de agosto de 1948, através de decreto, o arcebispo de São Paulo, dom Carlos Carmelo de Vasconcelos Mota, criou a Paróquia Nossa Senhora Auxiliadora de Pirituba e, no mesmo decreto, agregou a Capela São Luís Gonzaga à nova Paróquia. Dr. Luiz Pereira Barreto, um dos fundadores de Pirituba, nasceu em Rezende, Estado do Rio de Janeiro, a 11 de janeiro de 1840 e falecido em 1923. Seus pais, abastados fazendeiros da barranca do Paraíba, foram o mineiro comendador Fabiano Pereira Barreto e a paulista Francisca de Salles Barreto. Haviam eles destinado o jovem à carreira jurídica, talvez sob a sugestão do tio, o conselheiro Antonio Barreto Pedroso, mas Luiz Pereira Barreto desde logo se inclinou para a Medicina. Em 1865, doutora-se em Medicina e Ciências Naturais, pela Universidade de Bruxelas na Bégica.

Hospital Pinel

O Hospital Psiquiátrico Pinel, foi instalado em meio ao verde de Pirituba . O sanatório foi construído na Fazenda Anastácio, em Pirituba, uma região de sítios cercada por uma grande área verde. A localização propiciou a construção de uma horta usada nos tratamentos por laborterapia. O incrível crescimento demográfico da cidade de São Paulo gerou uma crise na saúde pública em 1922. Os hospitais psiquiátricos se viam superlotados e desprovidos de leitos para acomodar os doentes. Tanto as clinicas públicas quanto as particulares não tinham espaço e equipamentos adequados para oferecer tratamento. Diante deste problema a família Pacheco deu inicio ao projeto de edificação de um complexo hospitalar com arquitetura moderna, inspirada no modelo americano, e infraestrutura adequada: o Hospital Psiquiátrico Pinel - nome dado em homenagem ao fundador da psiquiatria científica, Phillipe Pinel, psiquiatra francês do século 18, que libertou os doentes mentais dos tratamentos sub-humanos ao qual eram submetidos pela religião e pela sociedade. O sanatório foi construído na Fazenda Anastácio, no subúrbio de Pirituba, uma região de sítios cercada por uma grande área verde. O Hospital Psiquiátrico Pinel foi pioneiro, no Brasil, na aplicação de eletrochoques. Em 1922, atendia cerca de 120 pacientes mulheres, distribuídas em seis pavilhões, conforme seu estado psíquico - apenas em 1987 o sanatório passou a fazer um atendimento misto. Quando o governo do Estado de São Paulo comprou o sanatório em 1944, doentes das classes sociais mais carentes também passaram a ser atendidos. Em 1970 a capacidade de atendimento teve de ser ampliada para 322 leitos.

Pirituba hoje

Pirituba é um bairro de classe média no distrito da zona noroeste da cidade de São Paulo. Pirituba teve um dos primeiros times de rugby do Brasil. Há uma forte tradição em beisebol, sendo o distrito de São Paulo com o maior número de praticantes não nipônicos deste esporte.O grupo de rap RZO fez três canções com o nome do distrito, intituladas “Pirituba”, “Pirituba Parte II” e “Pirituba Parte III”. Assim como o grupo Pollo compôs uma música chamada “Pirituba City”, que retrata a realidade do bairro sob um ponto de vista bem-humorado. Atualmente, é um dos polos industriais da cidade, com várias indústrias instaladas e residências diversas. Houve, ultimamente, um grande aumento de edifícios na região, além da retirada total das favelas e o deslocamento dessas populações para unidades construídas pela Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano do Estado de São Paulos em outros bairros. Possui um dos clubes holandeses mais tradicionais de São Paulo, a Casa de Nassau e, no decorrer dos tempos, sofreu forte influência de colônias de ingleses, de russos e de italianos que vieram trabalhar nas indústrias da região no início do século 20. O distrito também é cortado pela Linha Sete da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos, antiga Estrada de Ferro Santos-Jundiaí.

As principais vias que ligam o distrito de Pirituba são: Via Anhanguera, importante rodovia de São Paulo, passa pelos distritos de Pirituba, São Domingos, Vila Jaguara, Jaraguá, Perus e Anhanguera. Importante via de ligação ao centro, Lapa, Via Professor Simão Faiguenboim e regiões metropolitanas de São Paulo como Osasco, Caieiras, Cajamar, entre outras; Rodovia dos Bandeirantes, importante via de ligação em São Paulo passando pelos distritos de Pirituba, Jaraguá, Perus e Anhanguera. É paralela à Via Anhanguera; Avenida Raimundo Pereira de Magalhães, que inicia-se no distrito da Lapa, terminando na divisa de São Paulo com o município de Caieiras. Liga Pirituba ao distrito da Lapa, à Via Professor Simão Faiguenboim, passa pelos subdistritos de Piqueri, Chácara Inglesa, Parque Jardim Felicidade, Vila Zatt, Parada de Taipas, Jardim Rincão, Shangrilá entre outros, também liga Pirituba aos distritos de Jaraguá, Anhanguera e Perus. Nela, localiza-se o Terminal Pirituba, a Estação Pirituba e o Hospital Psiquiátrico Pinel. É uma das maiores avenidas de São Paulo, com quase vinte quilômetros de extensão; Avenida General Edgar Facó, que inicia-se no bairro do Piqueri (pertencente ao distrito de Pirituba) e é limite com o distrito de Freguesia do Ó. Tem cerca de 2,6 km e faz parte do corredor Pirituba-Lapa-Centro. Importante via de ligação ao centro, ponte do Piqueri e à Marginal do Tietê.

O bairro é rico em praças, parques e tem um comércio com grande diversidade, prova disso são os portais eletrônicos de empresas da região. Nesse perímetro de efervecência econômica destacam-se as seguitnes vias: Avenida Paula Ferreira: inicia-se no distrito da Freguesia do Ó e termina no distrito de Pirituba, quando liga-se à Avenida Raimundo Pereira de Magalhães, com cerca de 3,6 km a partir do distrito de Freguesia do Ó e é via de importante acesso para os bairros do Piqueri, Vila Bonilha e Vila Pereira Barreto e localizam-se, nela, a Estação Pirituba, o Shopping Pirituba e o Largo da Matriz de Nossa Senhora do Ó; Avenida Mutinga, que inicia-se em Pirituba e termina no município de Osasco,  tem cerca de 5,5 km e passa pelos distritos de Pirituba, São Domingos e Vila Jaguara, terminando no subdistrito de Remédios; Avenida Elísio Cordeiro de Siqueira, ou: antiga Avenida Um, que liga os distritos de Pirituba, São Domigos e Vila Jaguara; Avenida Doutor Felipe Pinel, que liga Pirituba aos distrito de Jaraguá; Avenida Elísio Teixeira Leite, que tem cerca de 7,2 km e abrange os distritos de Freguesia do Ó, Pirituba, Jaraguá e Brasilândia.

Outras vias importantes são: Avenida Alexios Jafet, Estrada São Paulo-Jundiaí, Avenida Chica Luisa, Estrada de Taipas, Avenida Miguel Castro, Avenida Cabo Adão Pereira, Avenida Benedito de Andrade, Avenida Fuad Lutfalla, Rua Manoel Barbosa e Rua Guerrino Giovanni Leardini.

Pontos Turísticos/históricos: Hospital Psiquiátrico Pinel - localizado em uma área verde, bonito por suas características arquitetônicas; Casarão do Anastácio - considerado patrimônio arquitetônico do bairro e tombado pelo patrimônio histórico; Fritz Dobbert - fábrica de pianos desde 1956 no bairro; Castelinho de Pirituba - construído em 1927, foi residência do superintendente da Estrada de Ferro São Paulo Railway. É patrimônio histórico e arquitetônico do bairro; Casa de Nassau (Sociedade Holandesa de São Paulo) - inaugurada em 1957, a Casa de Nassau é um clube que pertence a Sociedade Holandesa de São Paulo. Declarado como área de utilidade pública; Parque Estadual do Jaraguá - área arborizada pelo verde da Mata Atlântica, situada na Zona Oeste da cidade de São Paulo. Grande reserva ecológica, 7 hectares turísticos, local onde a cidade paulistana pode ser avistada do alto em 360º através de mirantes, contando com anfiteatros, pista de skate, trilhas, playground, espaço para piqueniques, quadras poliesportivas, lanchonetes, fraldários, banheiros para deficientes e estacionamento de automóveis.

  • Compartilhe
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no LinkeDin
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no WhatsApp

Pirituba aniversaria em 1º de fevereiro

O nome de Pirituba é o resultado da palavra “piri”, que significa vegetação de brejo e com o aumentativo “tuba”, que na língua tupi significa “muito”. Pirituba tem como referência histórica a inauguração da Estação de Trem em 1º de fevereiro de 1885.  A Fazenda Barreto, com a morte do seu proprietário em 1922, foi partilhada entre seus herdeiros. Nesse mesmo ano foi loteada a primeira partilha da Fazenda e em 1926 foi loteada a segunda partilha. Essas duas vilas, somadas ao núcleo inicial que se desenvolveu ao lado da estação, vieram a se constituir no núcleo principal de desenvolvimento do bairro. Posteriormente, outras partes da Fazenda Barreto foram loteadas dando lugar à formação de novas vilas, como a Vila Bonilha, Vila Zatt, Vila Maria Trindade, Vila Mirante e Jardim São José. Devido à grande influência política dos fazendeiros e a grande importância econômica do café, a SPR (São Paulo Railway) construiu uma estação para levar produtos agrícolas, principalmente café para o Porto de Santos. A essa estação foi dado o nome de Pirituba. Anos mais tarde com a decadência do café para a zona paulista deu-se a falência das fazendas.

Casarão do Anastácio e Parque Maria Domitila

A antiga casa colonial, sede da fazenda, não existe mais, mas em lugar encontra-se construção em ruínas que evidencia o abandono e desconhecimento da História de São Paulo. Está lindíssima construção foi um dia sede da Fazenda Anastácio, por volta do século 19. Seu primeiro proprietário foi o coronel Anastácio de Freitas Trancoso, membro do Governo Provisório de São Paulo, em 1823. Em 9 de maio de 1856, a fazenda Anastácio foi comprada pelo brigadeiro Tobias de Aguiar e sua esposa, a marquesa de Santos por quinze contos de réis. Com a morte do brigadeiro Tobias, em 1857, a marquesa de Santos tornou-se a única proprietária, e manteve as terras até morrer, em 1867. Marquesa de Santos morreu em 1867, aos 70 anos. Com a morte de Domitília, a posse ficou com seus herdeiros, que, em 1913, venderam parte da fazenda para a companhia elétrica Light and Power. A parte restante das terras ficou com os herdeiros até 1917, quando foi comprada pela Companhia Armour do Brasil. Depois da aquisição completa da propriedade, a antiga sede da fazenda – onde a marquesa de Santos passou parte de sua velhice – foi demolida, segundo versão aceita pelos historiadores. Da Fazenda Anastácio formaram-se os bairros de Parque São Domingos, City América, Vila Fiat Lux.

Tanque de lavagem de ouro

O primeiro esforço para dominar a região aconteceu já em 1580, quando o bandeirante Afonso Sardinha tentou se estabelecer no Jaraguá, para explorar ouro. Na ocasião, os indígenas que já ocupavam o local impediram o bandeirante de se fixar ali. A conquista do oeste paulistano, a exemplo dos filmes de bangue-bangue, se deu às custas de sangue índio. A guerra que Sardinha declarou aos nativos em 1592, quando era comandante da vila de São Paulo, durou cinco anos, e em 1597 ele começou a explorar as minas do Jaraguá.  Um dos tanques de ouro foi aterrado recentemente, por orientação de arqueólogos, na aldeia Tekoa Ytu. A aldeia guarani é uma das duas localizadas ao pé do Pico do Jaraguá. Quem descobriu a existência de ouro no local foi Luis Martins em 1532.

Vila Pereira Barreto

A Vila Pereira Barreto surgiu em novembro de 1922, quando o dr. José Pereira Barreto e sua esposa dona Georgina, lotearam uma de suas propriedades. Foi com a chegada das primeiras famílias, formadas por sitiantes, colonos e moradores à margem da Estrada de Ferro Santos-Jundiaí, que, movidos pela fé cristã, construíram um pequeno Oratório, dedicando-o a São Luis Gonzaga, em homenagem à memória do dr. Luis Pereira Barreto, médico e político de grande reputação da época. Localizada na Av. Cristo Rei - próximo à Av. Paula Ferreira. Em 8 de agosto de 1948, através de decreto, o arcebispo de São Paulo, dom Carlos Carmelo de Vasconcelos Mota, criou a Paróquia Nossa Senhora Auxiliadora de Pirituba e, no mesmo decreto, agregou a Capela São Luís Gonzaga à nova Paróquia. Dr. Luiz Pereira Barreto, um dos fundadores de Pirituba, nasceu em Rezende, Estado do Rio de Janeiro, a 11 de janeiro de 1840 e falecido em 1923. Seus pais, abastados fazendeiros da barranca do Paraíba, foram o mineiro comendador Fabiano Pereira Barreto e a paulista Francisca de Salles Barreto. Haviam eles destinado o jovem à carreira jurídica, talvez sob a sugestão do tio, o conselheiro Antonio Barreto Pedroso, mas Luiz Pereira Barreto desde logo se inclinou para a Medicina. Em 1865, doutora-se em Medicina e Ciências Naturais, pela Universidade de Bruxelas na Bégica.

Hospital Pinel

O Hospital Psiquiátrico Pinel, foi instalado em meio ao verde de Pirituba . O sanatório foi construído na Fazenda Anastácio, em Pirituba, uma região de sítios cercada por uma grande área verde. A localização propiciou a construção de uma horta usada nos tratamentos por laborterapia. O incrível crescimento demográfico da cidade de São Paulo gerou uma crise na saúde pública em 1922. Os hospitais psiquiátricos se viam superlotados e desprovidos de leitos para acomodar os doentes. Tanto as clinicas públicas quanto as particulares não tinham espaço e equipamentos adequados para oferecer tratamento. Diante deste problema a família Pacheco deu inicio ao projeto de edificação de um complexo hospitalar com arquitetura moderna, inspirada no modelo americano, e infraestrutura adequada: o Hospital Psiquiátrico Pinel - nome dado em homenagem ao fundador da psiquiatria científica, Phillipe Pinel, psiquiatra francês do século 18, que libertou os doentes mentais dos tratamentos sub-humanos ao qual eram submetidos pela religião e pela sociedade. O sanatório foi construído na Fazenda Anastácio, no subúrbio de Pirituba, uma região de sítios cercada por uma grande área verde. O Hospital Psiquiátrico Pinel foi pioneiro, no Brasil, na aplicação de eletrochoques. Em 1922, atendia cerca de 120 pacientes mulheres, distribuídas em seis pavilhões, conforme seu estado psíquico - apenas em 1987 o sanatório passou a fazer um atendimento misto. Quando o governo do Estado de São Paulo comprou o sanatório em 1944, doentes das classes sociais mais carentes também passaram a ser atendidos. Em 1970 a capacidade de atendimento teve de ser ampliada para 322 leitos.

Pirituba hoje

Pirituba é um bairro de classe média no distrito da zona noroeste da cidade de São Paulo. Pirituba teve um dos primeiros times de rugby do Brasil. Há uma forte tradição em beisebol, sendo o distrito de São Paulo com o maior número de praticantes não nipônicos deste esporte.O grupo de rap RZO fez três canções com o nome do distrito, intituladas “Pirituba”, “Pirituba Parte II” e “Pirituba Parte III”. Assim como o grupo Pollo compôs uma música chamada “Pirituba City”, que retrata a realidade do bairro sob um ponto de vista bem-humorado. Atualmente, é um dos polos industriais da cidade, com várias indústrias instaladas e residências diversas. Houve, ultimamente, um grande aumento de edifícios na região, além da retirada total das favelas e o deslocamento dessas populações para unidades construídas pela Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano do Estado de São Paulos em outros bairros. Possui um dos clubes holandeses mais tradicionais de São Paulo, a Casa de Nassau e, no decorrer dos tempos, sofreu forte influência de colônias de ingleses, de russos e de italianos que vieram trabalhar nas indústrias da região no início do século 20. O distrito também é cortado pela Linha Sete da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos, antiga Estrada de Ferro Santos-Jundiaí.

As principais vias que ligam o distrito de Pirituba são: Via Anhanguera, importante rodovia de São Paulo, passa pelos distritos de Pirituba, São Domingos, Vila Jaguara, Jaraguá, Perus e Anhanguera. Importante via de ligação ao centro, Lapa, Via Professor Simão Faiguenboim e regiões metropolitanas de São Paulo como Osasco, Caieiras, Cajamar, entre outras; Rodovia dos Bandeirantes, importante via de ligação em São Paulo passando pelos distritos de Pirituba, Jaraguá, Perus e Anhanguera. É paralela à Via Anhanguera; Avenida Raimundo Pereira de Magalhães, que inicia-se no distrito da Lapa, terminando na divisa de São Paulo com o município de Caieiras. Liga Pirituba ao distrito da Lapa, à Via Professor Simão Faiguenboim, passa pelos subdistritos de Piqueri, Chácara Inglesa, Parque Jardim Felicidade, Vila Zatt, Parada de Taipas, Jardim Rincão, Shangrilá entre outros, também liga Pirituba aos distritos de Jaraguá, Anhanguera e Perus. Nela, localiza-se o Terminal Pirituba, a Estação Pirituba e o Hospital Psiquiátrico Pinel. É uma das maiores avenidas de São Paulo, com quase vinte quilômetros de extensão; Avenida General Edgar Facó, que inicia-se no bairro do Piqueri (pertencente ao distrito de Pirituba) e é limite com o distrito de Freguesia do Ó. Tem cerca de 2,6 km e faz parte do corredor Pirituba-Lapa-Centro. Importante via de ligação ao centro, ponte do Piqueri e à Marginal do Tietê.

O bairro é rico em praças, parques e tem um comércio com grande diversidade, prova disso são os portais eletrônicos de empresas da região. Nesse perímetro de efervecência econômica destacam-se as seguitnes vias: Avenida Paula Ferreira: inicia-se no distrito da Freguesia do Ó e termina no distrito de Pirituba, quando liga-se à Avenida Raimundo Pereira de Magalhães, com cerca de 3,6 km a partir do distrito de Freguesia do Ó e é via de importante acesso para os bairros do Piqueri, Vila Bonilha e Vila Pereira Barreto e localizam-se, nela, a Estação Pirituba, o Shopping Pirituba e o Largo da Matriz de Nossa Senhora do Ó; Avenida Mutinga, que inicia-se em Pirituba e termina no município de Osasco,  tem cerca de 5,5 km e passa pelos distritos de Pirituba, São Domingos e Vila Jaguara, terminando no subdistrito de Remédios; Avenida Elísio Cordeiro de Siqueira, ou: antiga Avenida Um, que liga os distritos de Pirituba, São Domigos e Vila Jaguara; Avenida Doutor Felipe Pinel, que liga Pirituba aos distrito de Jaraguá; Avenida Elísio Teixeira Leite, que tem cerca de 7,2 km e abrange os distritos de Freguesia do Ó, Pirituba, Jaraguá e Brasilândia.

Outras vias importantes são: Avenida Alexios Jafet, Estrada São Paulo-Jundiaí, Avenida Chica Luisa, Estrada de Taipas, Avenida Miguel Castro, Avenida Cabo Adão Pereira, Avenida Benedito de Andrade, Avenida Fuad Lutfalla, Rua Manoel Barbosa e Rua Guerrino Giovanni Leardini.

Pontos Turísticos/históricos: Hospital Psiquiátrico Pinel - localizado em uma área verde, bonito por suas características arquitetônicas; Casarão do Anastácio - considerado patrimônio arquitetônico do bairro e tombado pelo patrimônio histórico; Fritz Dobbert - fábrica de pianos desde 1956 no bairro; Castelinho de Pirituba - construído em 1927, foi residência do superintendente da Estrada de Ferro São Paulo Railway. É patrimônio histórico e arquitetônico do bairro; Casa de Nassau (Sociedade Holandesa de São Paulo) - inaugurada em 1957, a Casa de Nassau é um clube que pertence a Sociedade Holandesa de São Paulo. Declarado como área de utilidade pública; Parque Estadual do Jaraguá - área arborizada pelo verde da Mata Atlântica, situada na Zona Oeste da cidade de São Paulo. Grande reserva ecológica, 7 hectares turísticos, local onde a cidade paulistana pode ser avistada do alto em 360º através de mirantes, contando com anfiteatros, pista de skate, trilhas, playground, espaço para piqueniques, quadras poliesportivas, lanchonetes, fraldários, banheiros para deficientes e estacionamento de automóveis.

Publicidade