Quinta, 16 de agosto de 2018

Notícia

História da Revolução Constitucionalista de 32

JSZN JSZN

A Revolução Constitucionalista de 1932, Revolução de 32 ou Guerra Paulista, foi o movimento armado ocorrido no Brasil entre julho e outubro de 1932 visando a derrubada do governo provisório de Getúlio Vargas e a instituição de um regime constitucional após a supressão da Constituição de 1891 pela Revolução de 1930. Foi a primeira grande revolta contra o governo de Getúlio Vargas.

Contexto

Na primeira metade do século 20, o Estado de São Paulo vivenciou um acelerado processo de industrialização e enriquecimento devido aos lucros da lavoura de café e à articulação da política do café com leite, pela qual se alternavam na Presidência da República políticos dos Estados de São Paulo e de Minas Gerais. Em meio à grave crise econômica devido à Grande Depressão de 1929, que derrubara os preços do café, eclodiu a Revolução de 1930, vindo Getúlio Vargas a assumir o poder, colocando fim à supremacia política das oligarquias paulistas. Getúlio nomeou interventores para o governo dos Estados, sendo que para São Paulo foi designado o coronel João Alberto de Barros, considerado pelas oligarquias como “forasteiro e plebeu”.

Antecedentes do movimento

Em 1932 a irritação das oligarquias paulistas com Vargas não cedeu sequer com a nomeação de um paulista, Pedro Manuel de Toledo, como interventor do Estado, e começou-se a tramar um movimento armado visando à derrubada de Vargas, sob a bandeira da proclamação de uma nova Constituição para o Brasil. O Partido Republicano Paulista (PRP) e o Partido Democrático de São Paulo, que antes apoiaram a Revolução de 1930, uniram-se na Frente Única para exigir o fim da ditadura do “Governo Provisório” e uma nova Constituição. Os paulistas consideravam que o seu Estado estava sendo tratado pelo governo federal como uma terra conquistada, governada por tenentes de outros Estados e sentiam, segundo afirmavam, que a Revolução de 1930 fora feita “contra” São Paulo. O estopim da revolta foi a morte de cinco jovens no centro da cidade de São Paulo, assassinados por partidários governistas em 23 de maio de 1932, dando origem a um movimento de oposição que ficou conhecido como MMDC: Mário Martins de Almeida (Martins); Euclides Bueno Miragaia (Miragaia); Dráusio Marcondes de Sousa (Dráusio) e Antônio Américo Camargo de Andrade (Camargo). Esse fato levou à união de diversos setores da sociedade paulista em torno do movimento de constitucionalização. Neste movimento, tanto se uniu a oligarquia que pretendia a volta da supremacia paulista no poder quanto segmentos que desejavam a implantação de uma verdadeira democracia no Brasil. Em 9 de julho eclodiu o movimento revolucionário, com os paulistas acreditando possuir o apoio de outros Estados, notadamente Minas Gerais, Rio Grande do Sul e do sul de Mato Grosso, para a derrubada de Getúlio Vargas. No Estado, contou com um grande contingente de voluntários civis e militares e o apoio de políticos de outros Estados, como Borges de Medeiros, Artur Bernardes e João Neves da Fontoura. O movimento estendeu-se até 2 de outubro de 1932, quando foi derrotado militarmente. Observe-se que, em 9 de julho, Vargas já havia iniciado a Constituinte e que já havia nomeado um interventor paulista - as duas grandes exigências de São Paulo. Isso, porém, não evitou o conflito, já que o que a elite paulista realmente almejava era voltar a dominar a política nacional, como o fazia anteriormente.O término, porém da Revolução Constitucionalista marcou o início do processo de democratização. Em 3 de maio de 1933 foram realizadas eleições para a Assembleia Nacional Constituinte quando a mulher votou pela primeira vez no Brasil em eleições nacionais. Nesta eleição, graças à criação da Justiça Eleitoral, as fraudes deixaram de ser rotina nas eleições brasileiras. Na versão do governo, a Revolução de 1932 não era necessária, pois as eleições já tinham data marcada para ocorrer. Segundo os paulistas não teria havido redemocratização do Brasil, se não fosse o Movimento Constitucionalista de 1932. Getúlio, terminada a Revolução de 1932, se reconcilia com São Paulo, e depois de várias negociações políticas, nomeia um civil e paulista para interventor em São Paulo: Armando de Sales Oliveira, e participando, mais tarde, pessoalmente da inauguração da Avenida 9 de Julho em São Paulo.

O movimento armado

Os planos paulistas previam um rápido e fulminante movimento em direção ao Rio de Janeiro pelo Vale do Paraíba, com a retaguarda assegurada pelo apoio que seria dado pelos outros Estados. Sem o apoio, porém,  dos outros Estados o plano imaginado por São Paulo não se concretizou: Rio Grande do Sul e Minas Gerais foram compelidos por Vargas a se manterem ao seu lado e a publicidade de pretensão separatista do movimento levou São Paulo a se ver sozinho, com o apoio de apenas algumas tropas mato-grossenses, contra o restante do Brasil. Comandados por Pedro de Toledo, aclamado governador revolucionário, e o general Bertoldo Klinger as tropas paulistas se viram lutando em três grandes frentes: o Vale do Paraíba, o Sul paulista e Leste paulista. O Estado de São Paulo, apesar de contar com mais de dez mil homens da Força Pública, 3.635 soldados do 2° Exército e quase 20 mil voluntários, em 10/7/1932, tinha em seus arsenais apenas:  8.685 fuzis de modelos diversos na Força Pública, muitos em estado ruim de conservação; 7.800 fuzis no Exército, mas muitos com defeitos; 144 metralhadoras pesadas; 515 fuzis-metralhadoras; 6.000.000 de munições. Como as fronteiras do Estado foram fechadas, não havia como adquirir armamento para o conflito, fora do país, assim muitos voluntários levaram suas próprias armas pessoais e engenheiros da Escola Politécnica do Estado (hoje Epusp) e do IPT passaram a desenvolver armamentos a serem produzidos pelo próprio Estado para suprir as tropas.

Vale do Paraíba

Principal acesso para o Rio de Janeiro, o vale do Rio Paraíba do Sul era visto pelos paulistas como teatro principal da guerra. A estratégia paulista previa a conquista da cidade fluminense de Resende, e apoiado por tropas mineiras, a marcha em direção à cidade do Rio de Janeiro. Entretando, com a falta de apoio de Minas Gerais, as tropas paulistas demoraram a se mover em direção a Resende e logo se viram defendendo o território paulista das tropas federais. Os combates mais importantes se deram na região do Túnel da Mantiqueira que divide São Paulo de Minas Gerais e que era considerado um ponto militar estratégico de grande importância. O terreno acidentado do vale do Paraíba e a existência de diversas cidades levaram a um combate encarniçado entre as tropas, porém, a superioridade de tropas e armamentos das forças de Vargas logo levaram à ocupação de diversas cidades paulistas do vale do Paraíba, como Lorena e Cruzeiro e o recuo das tropas paulistas em direção à capital.

Leste paulista

Tropas paulistas penetraram no sul de Minas Gerais, atingindo a cidade de Pouso Alegre em julho / agosto de 1932, porém, foram repelidas pelas forças federais em direção de Campinas e, após setembro de 1932, cidades paulistas próximas à divisa com Minas Gerais, como Atibaia e Bragança Paulista foram ocupadas pelas tropas fiéis a Vargas. No alto da Serra da Mantiqueira, num local conhecido como Garganta do Embaú, ocorreram combates violentos com intuito de dominar aquele ponto estratégico bem como o túnel da estrada férrea o que permitiria o controle do acesso ao sul de Minas por ferrovia. Os paulistas invadiram a cidade mineira de Passa-Quatro que foi posteriormente libertada por tropas leais ao governo Vargas.

Sul paulista

Principal teatro de operações das tropas federais, era o setor mais desguardado do Estado de São Paulo, pela crença do apoio que viria do Rio Grande do Sul. Tropas do Sul se posicionaram na divisa de São Paulo e Paraná, próximos à cidade de Itararé. Esta, por um grave erro logístico das tropas paulistas, não foi defendida, tendo estas se retirado para o Rio Paranapanema, abrindo quase 150 quilômetros de território paulista para os federais. Como nas demais frentes, tropas federais, em maior número e mais bem equipadas, ocupam cidades paulistas, com o agravante destas estarem situadas mais ao interior do Estado do que nas outras frentes.

O fim do conflito

Em meados de setembro, as condições de São Paulo eram precárias. O interior do Estado era invadido paulatinamente pelas tropas de Vargas e a capital paulista era ameaçada de ocupação. A economia de São Paulo, asfixiada pelo bloqueio do porto de Santos, sobrevivia de contribuições em ouro feitas por seus cidadãos e as tropas paulistas desertavam em números cada vez maiores. Vendo que a derrota e ocupação do Estado era questão de tempo, as tropas da Força Pública paulista são as primeiras a se renderem, no fim de setembro. Com o colapso da defesa paulista, a liderança revoltista se rende em 2 de outubro de 1932 na cidade de Cruzeiro para as forças chefiadas por Góis Monteiro.

Consequências

Terminado o conflito, a liderança paulista se refugia no exílio, enquanto os paulistas computam oficialmente 634 mortos, embora estimativas extraoficiais falem em mais de mil mortos paulistas. Do lado federal, nunca foram liberadas estimativas de mortos e feridos. Foi o maior conflito militar da história brasileira no século 20. A derrota militar acachapante entretanto se transforma em vitória política. Ao ver seu governo em risco, Getúlio Vargas dá início ao processo de reconstitucionalização do país, levando à promulgação em 1934 de uma nova constituição. Para os paulistas, a Revolução de 1932 transformou-se em símbolo máximo do Estado, a exemplo da Guerra dos Farrapos para os gaúchos. Lembrada por ser feriado no dia 9 de julho, a revolução é mais fortemente comemorada na cidade de São Paulo do que no interior do Estado, onde a destruição e mortes provocadas pela rebelião são ainda recordadas. No restante do país, o movimento, assim como a já citada Guerra dos Farrapos, é mais lembrado pela versão imposta pelos vitoriosos, a de uma rebelião conservadora, visando a reconduzir as oligarquias paulistas ao poder e de velado caráter separatista.

MMDC

M.M.D.C. é o acrônimo pelo qual se tornou conhecido o levante revolucionário paulista, em virtude das iniciais dos nomes dos estudantes paulistas Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo, mortos pelas tropas federais num confronto ocorrido em 23 de maio de 1932, que antecedeu e originou a Revolução Constitucionalista de 1932. Em 13 de janeiro de 2004, foi promulgada a lei estadual paulista número 11.658, denominando o dia 23 de maio como “Dia dos Heróis MMDCA”, em homenagem a Orlando de Oliveira Alvarenga, alvejado também em 23 de maio e que veio a falecer em 12 de agosto de 1932. A toponímia da cidade de São Paulo homenageia todos os nomes e datas da Revolução: as ruas Martins, Miragaia, Dráusio, Camargo, Alvarenga e MMDC se intercruzam no bairro do Butantã, assim como duas das vias arteriais da cidade homenageiam as datas mais importantes do evento: 23 de maio e 9 de julho.

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no WhatsApp

Veja também

Dia dos Pais é domingo - 12 de agosto
13 Ago

Dia dos Pais é domingo - 12 de agosto

Dia dos Pais: Por que comemorar?

Dia do Advogado - 11 de agosto
13 Ago

Dia do Advogado - 11 de agosto

A importância do operador do Direito para a sociedade.

Prefeitura Regional VM/VG começa a instalar avisos contra lixo irregular
13 Ago

Prefeitura Regional VM/VG começa a instalar avisos contra lixo irregular

Pontos viciados de descarte irregular de lixo e entulho que forem revitalizados na região Vila Maria/Vila Guilherme

Grupo de Shantala para bebês da UBS Vila Penteado
13 Ago

Grupo de Shantala para bebês da UBS Vila Penteado

Afim de incentivar o fortalecimento de vínculo entre mamãe e bebê, a UBS Vila Penteado

MAIS NOTÍCIAS

Publicidade

Parceiro
City Patentes
Parceiro
Semanário da Zona Norte
Parceiro
C2J Engenharia