SEMANÁRIO ZONA NORTE - JORNAL DE MAIOR CIRCULAÇÃO NA ZONA NORTE

A alienação parental

O casal se separou e, como na maioria dos casos, a guarda dos filhos ficou compartilhada

O casal se separou e, como na maioria dos casos, a guarda dos filhos ficou compartilhada.

A lei assim o determina mas, sobre guarda compartilhada e seus aspectos falarei em outro momento.

É fato que a alienação parental é o nome bonito que se deu para aquelas atitudes tanto de um como de outro genitor, em relação aos filhos, de denegrir de alguma forma a imagem do outro cônjuge.

É difícil de provar. Processualmente, somente através do estudo psicológico e ou estudo social é que se terá noção se há e qual a extensão da alienação parental.

Mas vocês, pais e mães separados, tenham em mente o seguinte: provar em juízo é pouco importante. Seu filho sabe quando a alienação parental está acontecendo. Hoje você pode conseguir trazê-lo para o seu lado e, colocá-lo contra o seu ex. Pela vida afora, essa sua atitude de hoje vai custar caro. Não para você, para ele que é seu filho.

Relacionamentos conturbados, medo de se comprometer, casamentos que repetem os padrões dos pais, pouca fidelidade no casamento dele, tudo isso pode acontecer ao seu filho.

A alienação não é só falar mal do pai ou da mãe: alienação é fazer caras e bocas quando o seu ou sua ex ligam. A alienação é você dizer simplesmente: “- Seu pai está atrasado. Ele vem te buscar?”

Chorar na frente dos filhos por questões da separação também é muito grave. Isso vai gerar neles uma raiva do outro que está te fazendo sofrer. Ainda que isso não seja verdade. Se você quer chorar, aguarde o momento de estar sozinha ou com seus amigos ou ainda, na terapia.

Isso basta para causar a impressão de que o filho não deve confiar no pai. Deixe que seu filho decida por si se o pai é confiável ou não. E, principalmente, deixe que ele sempre guarde para si a imagem de que a mãe ou o pai nunca falaram mal um do outro.

Até porque, deve partir de você a premissa de vida de que seu ex-marido ou sua ex-mulher são o que são, ex-marido e ex-mulher. Nunca serão ex-pai ou ex-mãe. Pense, principalmente, que foi você quem escolheu aquela pessoa para ser o pai ou a mãe de seus filhos. Se vocês eram um time na hora de ter os filhos, mantenham-se como tal.

Isso não tem a ver com hipocrisia, tem a ver com o fato de você ser uma pessoa melhor. Vai falar mal do ex para as amigas e amigos, não para os filhos.

Um filho fruto da alienação parental, vai obrigatoriamente ter sequelas da separação dos pais, como todos têm. As separações já são doloridas para os filhos de qualquer modo; não aumente a dor de seus filhos, despejando neles o seu lixo. Sim, lixo. Você está cheio de ódio e ressentimentos pelos motivos quais forem da separação e, fica distribuindo seu lixo para os filhos. Se seu marido ou mulher eram um lixo, descarte isso no lugar certo, na terapia, com os amigos e amigas mas, não nos filhos.

A compostagem desse lixo depois de anos, pode causar um adubo pouco interessante para você. Essa compostagem poderá adubar uma coisa muito ruim de seu filho contra você e não contra o genitor contra o qual você o alienou.

A responsabilidade dos pais não se encerram em relação aos filhos, somente em alimentar, vestir e educar. Criar, no sentido psicológico, é mais importante do que encher o armário deles de brinquedos.

Pense bem nisso e, case sim! Tenha filhos, tenha netos e viva bem com seus filhos para sempre sem precisar falar mal de seus ex.

* Advogado

  • Compartilhe
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no WhatsApp

A alienação parental

O casal se separou e, como na maioria dos casos, a guarda dos filhos ficou compartilhada.

A lei assim o determina mas, sobre guarda compartilhada e seus aspectos falarei em outro momento.

É fato que a alienação parental é o nome bonito que se deu para aquelas atitudes tanto de um como de outro genitor, em relação aos filhos, de denegrir de alguma forma a imagem do outro cônjuge.

É difícil de provar. Processualmente, somente através do estudo psicológico e ou estudo social é que se terá noção se há e qual a extensão da alienação parental.

Mas vocês, pais e mães separados, tenham em mente o seguinte: provar em juízo é pouco importante. Seu filho sabe quando a alienação parental está acontecendo. Hoje você pode conseguir trazê-lo para o seu lado e, colocá-lo contra o seu ex. Pela vida afora, essa sua atitude de hoje vai custar caro. Não para você, para ele que é seu filho.

Relacionamentos conturbados, medo de se comprometer, casamentos que repetem os padrões dos pais, pouca fidelidade no casamento dele, tudo isso pode acontecer ao seu filho.

A alienação não é só falar mal do pai ou da mãe: alienação é fazer caras e bocas quando o seu ou sua ex ligam. A alienação é você dizer simplesmente: “- Seu pai está atrasado. Ele vem te buscar?”

Chorar na frente dos filhos por questões da separação também é muito grave. Isso vai gerar neles uma raiva do outro que está te fazendo sofrer. Ainda que isso não seja verdade. Se você quer chorar, aguarde o momento de estar sozinha ou com seus amigos ou ainda, na terapia.

Isso basta para causar a impressão de que o filho não deve confiar no pai. Deixe que seu filho decida por si se o pai é confiável ou não. E, principalmente, deixe que ele sempre guarde para si a imagem de que a mãe ou o pai nunca falaram mal um do outro.

Até porque, deve partir de você a premissa de vida de que seu ex-marido ou sua ex-mulher são o que são, ex-marido e ex-mulher. Nunca serão ex-pai ou ex-mãe. Pense, principalmente, que foi você quem escolheu aquela pessoa para ser o pai ou a mãe de seus filhos. Se vocês eram um time na hora de ter os filhos, mantenham-se como tal.

Isso não tem a ver com hipocrisia, tem a ver com o fato de você ser uma pessoa melhor. Vai falar mal do ex para as amigas e amigos, não para os filhos.

Um filho fruto da alienação parental, vai obrigatoriamente ter sequelas da separação dos pais, como todos têm. As separações já são doloridas para os filhos de qualquer modo; não aumente a dor de seus filhos, despejando neles o seu lixo. Sim, lixo. Você está cheio de ódio e ressentimentos pelos motivos quais forem da separação e, fica distribuindo seu lixo para os filhos. Se seu marido ou mulher eram um lixo, descarte isso no lugar certo, na terapia, com os amigos e amigas mas, não nos filhos.

A compostagem desse lixo depois de anos, pode causar um adubo pouco interessante para você. Essa compostagem poderá adubar uma coisa muito ruim de seu filho contra você e não contra o genitor contra o qual você o alienou.

A responsabilidade dos pais não se encerram em relação aos filhos, somente em alimentar, vestir e educar. Criar, no sentido psicológico, é mais importante do que encher o armário deles de brinquedos.

Pense bem nisso e, case sim! Tenha filhos, tenha netos e viva bem com seus filhos para sempre sem precisar falar mal de seus ex.

* Advogado

Publicidade