SEMANÁRIO ZONA NORTE - JORNAL DE MAIOR CIRCULAÇÃO NA ZONA NORTE

Maternidade do São Cristóvão cria ações para combater problemas neonatais

Instituição alia projetos voluntários a tecnologias de ponta em prol da prevenção e melhoria da qualidade de vida recém-nascidos

Cerca de 1,5 mil bebês nascem todos os anos na Maternidade do Grupo São Cristóvão Saúde. Desses, em torno de 5% são prematuros, ou seja, nascem antes de completar 37 semanas de gestação, fator que eleva os riscos de desenvolvimento de problemas de saúde. E essa é uma das razões que leva a Instituição a desenvolver uma série de medidas para prevenir e combater complicações decorrentes da prematuridade ou demais doenças que podem acometer os recém--nascidos.

Segundo a pediatra responsável, Dra. Claudia Conti, “seja para o recém-nascido prematuro ou de termo (nascido após 37 semanas), a medicina vem avançando em vários sentidos para promover mais saúde e qualidade de vida aos bebês”.
Entre as ações voltadas para a maternidade, estão os projetos voluntários Octo e Mãe Coruja, além dos investimentos feitos recentemente na UTI Neonatal, que conta agora com um monitoramento 24h permitindo o diagnóstico precoce de lesões cerebrais.
O CEO/Presidente do Grupo, Engº Valdir Pereira Ventura, ressalta que o empenho da Instituição em oferecer um atendimento completo às gestantes e aos seus fi lhos tem trazido ótimos resultados. “Temos mantido um índice de sucesso de mais de 98% dos casos de prematuridade desde 2014, e acreditamos que o resultado pode melhorar ainda mais com a ajuda dos avanços da medicina e de projetos tão importantes como estes”, comemora.

Projeto Octo
Criado na Dinamarca, em 2013, o projeto consiste em confeccionar e doar polvos de crochê para bebês prematuros que estão na UTI Neonatal. Experiências mostram que o polvo, com os seus tentáculos, faz com que o bebê se sinta acolhido, controlando a frequência cardíaca e respiratória, melhorando seus sinais vitais, ajudando no ganho de peso e reduzindo no tempo de permanência na internação. 

O projeto, sem fi ns lucrativos, foi implementado no Hospital por meio de uma parceria no fi m do ano passado (2018). Os polvos são confeccionados por um grupo de voluntárias em uma ofi cina terapêutica monitorada pela Dayane Sanches de Castro, Terapeuta Ocupacional do Centro de Atenção Integral à Saúde (CAIS), do Grupo São Cristóvão. Os materiais utilizados são todos doados pelas participantes da ofi cina e pela comunidade. Depois de prontos, os polvos são
doados para as maternidades de diversas Instituições.
“Cada polvo é colocado sobre o corpo do bebê prematuro, transmitindo toda a sensação do toque e segurança que ele precisa através do contato com os tentáculos”, conta a Dra. Claudia Conti.
Para que possam ser utilizados, os polvos passam por um processo seguro de higienização e desinfecção. Segundo a médica, a lavagem é realizada com detergentes enzimáticos e seguem para uma secadora e, por fi m, são autoclavados (hermeticamente fechados) em uma estufa a 150°C para eliminar 100% dos germes. “A cada sete dias, os polvos que estão em uso passam por este processo antes de retornarem para os bebês”, comenta.

Projeto Mãe Coruja
Essa iniciativa, voltada ao acompanhamento da gestante em todas as fases de gestação, procura apoiar e orientar a mãe com os cuidados específi cos de cada período, favorecendo a gestação e parto saudáveis. 
Em muitos casos, a prematuridade está associada a patologias, como a doença hipertensiva da gestação (DHEG), a oligoamnio (restrição do crescimento do feto por falta de líquido amniótico) e o trabalho de parto prematuro gemelar ou com bolsa rota espontânea. Quando bem acompanhadas, essas gestações podem se desenvolver com menor risco para a mãe e para o bebê.
Com o Mãe Coruja, as benefi ciárias gestantes contam com o acompanhamento de uma equipe de prevenção desde o pré-natal até os 2 anos de idade da criança, juntamente com o médico. O projeto foi desenhado por uma equipe multidisciplinar especializada nos cuidados e, principalmente, na minimização de qualquer risco para todos.
Além disso, a Instituição está desenvolvendo um aplicativo para celular com a intenção de aliar a tecnologia à prevenção. Esse recurso será utilizado pelas futuras mamães, que terão fácil acesso a informações e dicas sobre o desenvolvimento da saúde do seu bebê.

UTI Neonatal Neurológica
O mais recente investimento do Grupo São Cristóvão Saúde foi resultado de uma parceria entre a Instituição e a organização PBSF – Protecting Brains & Saving Futures (Protegendo Cérebros e Salvando Futuros), que desenvolveu Maternidade do São Cristóvão cria ações para combater problemas neonatais
Instituição alia projetos voluntários a tecnologias de ponta em prol da prevenção e melhoria da qualidade de vida dos recém-nascidos

Sobre o Grupo São Cristóvão Saúde

 Administrado pela Associação de Beneficência e Filantropia São Cristóvão, o Grupo São Cristóvão Saúde é constituído pelas seguintes Unidades de Negócio: Hospital e Maternidade Geral, Plano de Saúde, 4 Unidades Ambulatoriais, Filantropia, Centro de Atenção Integra à Saúde (CAIS), Instituto de Ensino e Pesquisa (IEP) e Hotel Recanto São Cristóvão, localizado em Campos do Jordão. Tradicional no atendimento à saúde, a Instituição completou 107 anos em 2018, e vem promovendo uma grande modernização, através da gestão administrativa dirigida pelo CEO/ Presidente, Engº Valdir Pereira Ventura, em sua estrutura física e tecnológica, investindo em equipamentos, certifi cações e profi ssionais qualifi cados. Atualmente, o Hospital e a Maternidade aumentou a capacidade de internação passando de 171 para 258 leitos, além das 4 Unidades dos Centros Ambulatoriais e o Centro de Atenção Integral à Saúde que realizam, diariamente, milhares de consultas, proporcionando qualidade assistencial as 120 mil vidas do Plano de Saúde.


Doação de materiais para produção dos polvos:
•Fio 100% Algodão – Sugestão: Anne, Charme, Bella ou Camila Fashion. •Agulha de crochê – 2,5mm ou 3,0mm 
•Enchimento – fi bra siliconada. Sugestão: Santa Fé ou qualquer outra desde que seja “antialérgica”.
uma Central de Monitoramento 24h no intuito de minimizar o risco de sequelas neurológicas nos recém-nascidos.
A tecnologia, que está funcionando na unidade desde março deste ano, foi trazida pela Drª Ludmila de Freitas Ventura Simões, neonatalogista do Grupo São Cristóvão Saúde. “Com o auxílio desse sistema, podemos proteger o cérebro de pacientes com risco para injúria cerebral de maneira rápida, prevenindo sequelas em curto, médio e longo prazo”, explica.
“Essa tecnologia contribui para os cuidados com os recém-nascidos prematuros também, além da introdução de um tratamento mais assertivo e humanizado, reduzindo as chances de sequelas futuras que possam interferir no desenvolvimento e crescimento da criança”, completa Dra. Claudia.


Como ajudar
Fabiana Candido conta que os polvos doados pelo Projeto Octo foram produzidos por crocheteiras voluntárias, o que inspirou a equipe a promover uma campanha estruturando aulas para estimular o aprendizado de pessoas que tiverem interesse em fazer polvos de crochê para doação. “Daremos início com nossa terapeuta ocupacional e serão convidadas as mamães de crianças hospitalizadas para fazer parte deste projeto de aprendizado”.
Além disso, a instituição conta com uma equipe multidisciplinar de médicos, enfermeiros, fi sioterapeutas e fonoaudiólogos que dão dicas de cuidados e compartilham como cada especialidade pode contribuir para a evolução do quadro clínico do bebê.


Outra forma de participar é por meio da doação de insumos para a produção dos polvos
Pontos de coleta: recepções de atendimento do Hospital e Centros Ambulatoriais São Cristóvão.
Informações e inscrições para a Ofi cina do Projeto Octo: Setor PRO Ativa, pelos números 2029-7718 ou 2029-7781.
Informações sobre o Projeto Mãe Coruja: através do e-mail mope@saocristovao.com.br e pelos números 2029-7385 ou 2029-7386.

  • Compartilhe
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no LinkeDin
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no WhatsApp

Maternidade do São Cristóvão cria ações para combater problemas neonatais

Cerca de 1,5 mil bebês nascem todos os anos na Maternidade do Grupo São Cristóvão Saúde. Desses, em torno de 5% são prematuros, ou seja, nascem antes de completar 37 semanas de gestação, fator que eleva os riscos de desenvolvimento de problemas de saúde. E essa é uma das razões que leva a Instituição a desenvolver uma série de medidas para prevenir e combater complicações decorrentes da prematuridade ou demais doenças que podem acometer os recém--nascidos.

Segundo a pediatra responsável, Dra. Claudia Conti, “seja para o recém-nascido prematuro ou de termo (nascido após 37 semanas), a medicina vem avançando em vários sentidos para promover mais saúde e qualidade de vida aos bebês”.
Entre as ações voltadas para a maternidade, estão os projetos voluntários Octo e Mãe Coruja, além dos investimentos feitos recentemente na UTI Neonatal, que conta agora com um monitoramento 24h permitindo o diagnóstico precoce de lesões cerebrais.
O CEO/Presidente do Grupo, Engº Valdir Pereira Ventura, ressalta que o empenho da Instituição em oferecer um atendimento completo às gestantes e aos seus fi lhos tem trazido ótimos resultados. “Temos mantido um índice de sucesso de mais de 98% dos casos de prematuridade desde 2014, e acreditamos que o resultado pode melhorar ainda mais com a ajuda dos avanços da medicina e de projetos tão importantes como estes”, comemora.

Projeto Octo
Criado na Dinamarca, em 2013, o projeto consiste em confeccionar e doar polvos de crochê para bebês prematuros que estão na UTI Neonatal. Experiências mostram que o polvo, com os seus tentáculos, faz com que o bebê se sinta acolhido, controlando a frequência cardíaca e respiratória, melhorando seus sinais vitais, ajudando no ganho de peso e reduzindo no tempo de permanência na internação. 

O projeto, sem fi ns lucrativos, foi implementado no Hospital por meio de uma parceria no fi m do ano passado (2018). Os polvos são confeccionados por um grupo de voluntárias em uma ofi cina terapêutica monitorada pela Dayane Sanches de Castro, Terapeuta Ocupacional do Centro de Atenção Integral à Saúde (CAIS), do Grupo São Cristóvão. Os materiais utilizados são todos doados pelas participantes da ofi cina e pela comunidade. Depois de prontos, os polvos são
doados para as maternidades de diversas Instituições.
“Cada polvo é colocado sobre o corpo do bebê prematuro, transmitindo toda a sensação do toque e segurança que ele precisa através do contato com os tentáculos”, conta a Dra. Claudia Conti.
Para que possam ser utilizados, os polvos passam por um processo seguro de higienização e desinfecção. Segundo a médica, a lavagem é realizada com detergentes enzimáticos e seguem para uma secadora e, por fi m, são autoclavados (hermeticamente fechados) em uma estufa a 150°C para eliminar 100% dos germes. “A cada sete dias, os polvos que estão em uso passam por este processo antes de retornarem para os bebês”, comenta.

Projeto Mãe Coruja
Essa iniciativa, voltada ao acompanhamento da gestante em todas as fases de gestação, procura apoiar e orientar a mãe com os cuidados específi cos de cada período, favorecendo a gestação e parto saudáveis. 
Em muitos casos, a prematuridade está associada a patologias, como a doença hipertensiva da gestação (DHEG), a oligoamnio (restrição do crescimento do feto por falta de líquido amniótico) e o trabalho de parto prematuro gemelar ou com bolsa rota espontânea. Quando bem acompanhadas, essas gestações podem se desenvolver com menor risco para a mãe e para o bebê.
Com o Mãe Coruja, as benefi ciárias gestantes contam com o acompanhamento de uma equipe de prevenção desde o pré-natal até os 2 anos de idade da criança, juntamente com o médico. O projeto foi desenhado por uma equipe multidisciplinar especializada nos cuidados e, principalmente, na minimização de qualquer risco para todos.
Além disso, a Instituição está desenvolvendo um aplicativo para celular com a intenção de aliar a tecnologia à prevenção. Esse recurso será utilizado pelas futuras mamães, que terão fácil acesso a informações e dicas sobre o desenvolvimento da saúde do seu bebê.

UTI Neonatal Neurológica
O mais recente investimento do Grupo São Cristóvão Saúde foi resultado de uma parceria entre a Instituição e a organização PBSF – Protecting Brains & Saving Futures (Protegendo Cérebros e Salvando Futuros), que desenvolveu Maternidade do São Cristóvão cria ações para combater problemas neonatais
Instituição alia projetos voluntários a tecnologias de ponta em prol da prevenção e melhoria da qualidade de vida dos recém-nascidos

Sobre o Grupo São Cristóvão Saúde

 Administrado pela Associação de Beneficência e Filantropia São Cristóvão, o Grupo São Cristóvão Saúde é constituído pelas seguintes Unidades de Negócio: Hospital e Maternidade Geral, Plano de Saúde, 4 Unidades Ambulatoriais, Filantropia, Centro de Atenção Integra à Saúde (CAIS), Instituto de Ensino e Pesquisa (IEP) e Hotel Recanto São Cristóvão, localizado em Campos do Jordão. Tradicional no atendimento à saúde, a Instituição completou 107 anos em 2018, e vem promovendo uma grande modernização, através da gestão administrativa dirigida pelo CEO/ Presidente, Engº Valdir Pereira Ventura, em sua estrutura física e tecnológica, investindo em equipamentos, certifi cações e profi ssionais qualifi cados. Atualmente, o Hospital e a Maternidade aumentou a capacidade de internação passando de 171 para 258 leitos, além das 4 Unidades dos Centros Ambulatoriais e o Centro de Atenção Integral à Saúde que realizam, diariamente, milhares de consultas, proporcionando qualidade assistencial as 120 mil vidas do Plano de Saúde.


Doação de materiais para produção dos polvos:
•Fio 100% Algodão – Sugestão: Anne, Charme, Bella ou Camila Fashion. •Agulha de crochê – 2,5mm ou 3,0mm 
•Enchimento – fi bra siliconada. Sugestão: Santa Fé ou qualquer outra desde que seja “antialérgica”.
uma Central de Monitoramento 24h no intuito de minimizar o risco de sequelas neurológicas nos recém-nascidos.
A tecnologia, que está funcionando na unidade desde março deste ano, foi trazida pela Drª Ludmila de Freitas Ventura Simões, neonatalogista do Grupo São Cristóvão Saúde. “Com o auxílio desse sistema, podemos proteger o cérebro de pacientes com risco para injúria cerebral de maneira rápida, prevenindo sequelas em curto, médio e longo prazo”, explica.
“Essa tecnologia contribui para os cuidados com os recém-nascidos prematuros também, além da introdução de um tratamento mais assertivo e humanizado, reduzindo as chances de sequelas futuras que possam interferir no desenvolvimento e crescimento da criança”, completa Dra. Claudia.


Como ajudar
Fabiana Candido conta que os polvos doados pelo Projeto Octo foram produzidos por crocheteiras voluntárias, o que inspirou a equipe a promover uma campanha estruturando aulas para estimular o aprendizado de pessoas que tiverem interesse em fazer polvos de crochê para doação. “Daremos início com nossa terapeuta ocupacional e serão convidadas as mamães de crianças hospitalizadas para fazer parte deste projeto de aprendizado”.
Além disso, a instituição conta com uma equipe multidisciplinar de médicos, enfermeiros, fi sioterapeutas e fonoaudiólogos que dão dicas de cuidados e compartilham como cada especialidade pode contribuir para a evolução do quadro clínico do bebê.


Outra forma de participar é por meio da doação de insumos para a produção dos polvos
Pontos de coleta: recepções de atendimento do Hospital e Centros Ambulatoriais São Cristóvão.
Informações e inscrições para a Ofi cina do Projeto Octo: Setor PRO Ativa, pelos números 2029-7718 ou 2029-7781.
Informações sobre o Projeto Mãe Coruja: através do e-mail mope@saocristovao.com.br e pelos números 2029-7385 ou 2029-7386.

Publicidade